sexta-feira, 24 de agosto de 2007

Pamonha, pamonha, pamonha! Pamonha de Piiracicaba!

Depois da última aula de degustação (vinhos orgânicos do Vêneto - Proceco Sete Nardi!!) no SENAC, passei na casa da Neide e junto com ela, mais o Prof. Paulo Chanel (líder do Slow de lá) (Foto_1), fui até Piracicaba para uma atividade do Slow Food da cidade. Tratava-se de uma degustação da legítima pamonha de Piiiracicaba (Foto_2 e_3)! Uma delícia a reunião do grupo. Muito papo bom regado com vinho gostoso... O Slow Food trata-se de um movimento que teve origem na Itália e que objetiva resgatar culturas gastronômicas e culinárias tradicionais e também a produção de alimentos regionais, na sua maioria, entregues a sorte pela industrialização, globalização, etc... Em Piracicaba há produção de milho e, como em todo o país, o híbrido predomina arrasando com a cultura do crioulo, a variedade que havia originariamente no Brasil cultivado pelos indígenas. O Prof. Paulo H., geniticista da ESALQ, comentou que o trangênico em breve poderá contaminar qualquer das variedades de milho produzidas no país, como aconteceu no México, acabando com a biodiversidade da espécie... e o pior: com o aval legal... Mas o Prof.Paulo M., também da ESALQ, mostrou que há boas chances de se conseguir resguardar essas culturas através das técnicas orgânicas de cultivo e de esclarecimentos diretamente junto às comunidades. Bom, o Chanel levou duas outras pamonhas. Um feita na cidade dele, Franca, e outra comprada no Castelinho, na estrada. A Neide teve a idéia de fazermos uma análise sensorial cega para vermos qual das 3 pamonhas seria avaliada como a pamonha que traz o verdadeiro sabor de pamonha! Como meu acervo gustativo pamonhístico nunca se estendeu além das compradas no Rancho da Pamonha da Imigrantes, virei alvo de risadas dos expertises no assunto quando na minha análise sensorial dei nota máxima para a pamonha mais xumbrega da amostra: a do Castelinho!!! Como poderia ser diferente? Nunca comi pamonha feita por pamonheiro de verdade! Sou garota azuleijo! Dessa forma, estou na expectativa pela oficina de confecção de pamonhas que a Neide vai organizar em Fartura, já que a mãe dela é uma pamonheira de mão cheia!

6 comentários:

  1. Assim que tiver milho em Fartura, vou tentar fazer a oficina. Acho que pode ser divertido. Tá muito legal seu blog. Queria ter mais tempo para mexer na cara do meu. beijos, n

    ResponderExcluir
  2. Oba! Além de comer pamonha de verdade vou adorar conhecer Fartura! Adoro escrever no blog, mesmo que ninguém leia...estou me divertindo! bj Sill

    ResponderExcluir
  3. Ai que inveja! Adoro pamonha.
    Ia dar nota 10 para todas!!!!
    Bj
    Lulu

    Ps: Lá no nhoque acho que mandei a msg para seu e-mail e não para o blog. Eta Tico e Teco, tem hora que não funcinam mesmo.

    ResponderExcluir
  4. Gostaria de saber como faz para amarrar a pamonha com elástico e não ficar amarga?

    Sula

    ResponderExcluir
  5. Oi Sula, Como vc pode ler não entendo nadinha de pamonhas. Acho q vc deve escrever p a Neide, do Come-se (httP://come-se.blogspot.com). Espero q ela possa te ajudar. Abraço, Silmara

    ResponderExcluir
  6. Elástico é tóxico! Nunca amarre comida com elástico!

    ResponderExcluir

Já mochilou ou quer mochilar por aqui também?